Caso de fraude bancária: ED atribui Rs 6,5 milhões de ativos da empresa de Bengaluru

A Diretoria de Execução registrou uma reclamação contra Samantara e a empresa sob a Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro (PMLA) com base em um FIR CBI no mesmo caso.

A ED anexou ativos no valor de Rs 6,5 crore de uma empresa de TI sediada em Bengaluru em conexão com sua investigação de lavagem de dinheiro por supostamente fraudar o United Bank of India na ordem de Rs 30 crore. A agência, em um comunicado, disse que anexou os ativos após registrar um caso contra NR Samantara, diretor da Ignis Technology Solutions Private Limited.



Veja o que mais está virando notícia

A Diretoria de Execução registrou uma reclamação contra Samantara e a empresa sob a Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro (PMLA) com base em um FIR CBI no mesmo caso.

Um edifício residencial, dois apartamentos residenciais, um terreno residencial vago, terras agrícolas medindo 8 acres e 37 guntas (todos em Bengaluru) e um terreno industrial distribuído pela Odisha Industrial Development Corporation foram anexados, disse.

O caso diz respeito a trapacear o United Bank of India (UBI) na ordem de Rs 30 crore por meios fraudulentos em matéria de sanções e concessão de crédito.

A ED disse que sua investigação de lavagem de dinheiro revelou o fluxo de dinheiro ilegal gerado a partir do referido crime e usado para adquirir as propriedades anexadas.

Dicas Reais

Recomendado